Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

ONLINE
3




Partilhe este Site...





Total de visitas: 404679
ENTREVISTA COM ROSIMEIRE LEAL DA MOTTA
ENTREVISTA COM ROSIMEIRE LEAL DA MOTTA

  1. De onde você é? Quando você começou a se aventurar na literatura? Sofreu influência direta de parentes mais velhos, amigos, professores? O que aprendeu na escola o instigou a criar textos?
  2. Nasci e resido no município de Vila Velha, no Estado do Espírito Santo, em 16 de abril de 1969. Sou, por formação, Professora, Técnica em Contabilidade e Secretaria. Sou portadora de Deficiência auditiva... não nasci assim, fui perdendo a capacidade auditiva por hereditariedade e hoje, faço leitura labial.

Comecei a escrever aos 15 anos, seguindo o exemplo da minha mãe, que  usava  a escrita como uma maneira de expressar seus problemas pessoais. A outra influência foi a leitura, pois por ser tímida, passei a maior parte da minha adolescência lendo.

Meu primeiro trabalho literário foi "MEU IDEAL DE POESIA" (prosa), escrito aos 15 anos.

Desenvolvo o estilo Simbolismo, onde a vida interior é revelada por meio de símbolos. Existe a postura romântica, centralizada no "eu", explorando as camadas mais profundas do subconsciente e inconsciente... interioridade... poesias endereçadas à emoção... romantismo... idéias envoltas em sombra, em névoa... Na verdade, não sei explicar como adquiri este estilo, possivelmente deve ter sido porque sempre fui tímida e tinha vergonha de falar sobre mim de maneira clara e então inconscientemente, usava objetos materiais e abstratos para representar o que sinto. A Inspiração não tem hora para chegar; quando estou triste os textos brotam com maior facilidade, mas me encanta olhar uma foto, imagem ou desenho fixamente, analisando o que vejo, o que está me transmitindo e os sentimentos ocultos.

 

  1. Você já leu muitas obras e lê frequentemente? Que gêneros (poesia, contos, crônicas, romance) e autores prefere?

Sempre fui tímida e passei a maior parte da minha adolescência lendo. Ainda continuo lendo. Aprecio todos os gêneros, mas a poesia é especial.

De tanto ler poesias adquiri a habilidade de captar a sensibilidade que há nos textos. O que ocorre é que as pessoas escrevem com a cabeça, com a mente e não com o coração (por isso a poesia se torna apenas palavras bonitas). Ao começar a desenvolver um texto deixe o SEU CORAÇÃO falar, e verá que seus escritos terão maior sensibilidade, poesia pura. Não escreva apenas por escrever, respire fundo e concentre-se no tema principal, sinta o que você está escrevendo, torne real cada linha, ponha o seu coração ali e a beleza do seu interior virá à tona. Senão você estará desenvolvendo apenas um texto com palavras bonitas, porém nada poético. O texto torna-se poético quando ao ser lido, ele mexe com as emoções do leitor. Não é difícil, é questão de pratica. E SEMPRE É BOM OBSERVAR QUE ALGUMAS PALAVRAS NÃO SÃO POÉTICAS.

Eu sinto a poesia como se fosse um pedaço da alma, um ser vivo que transmite um sentimento. Ler uma poesia é como abrir um frasco de perfume e aspirar seu aroma... A fragrância é totalmente absorvida por nosso íntimo. Penso que a realização do poeta se faz na alma, pois ele já nasce com este dom, ou seja, não há como participar de um curso para se tornar um profissional da poesia... Ele poderá se inscrever num curso para aperfeiçoar a escrita com base na gramática e somente isto. Ser poeta é um dom que a pessoa tem, que a torna capaz de transformar letras em sentimento.

Ser poeta é traduzir em palavras os sentimentos profundos ... num momento que tudo parece difícil de compreender, as mãos e a caneta, juntas, revelam o enigma. Isso é poesia: não ter nada para dizer e perceber que o que escreveu veio do fundo da alma.

No fundo somos todos poetas, mas falta a sensibilidade para desenvolvê-la e trazer à tona a poesia que há em nós.

Não sou critica literária, o que ocorre é que houve um tempo que eu lia muitas poesias e assim consegui absorver a essência da poesia. Não se escreve poesia da mesma maneira que se fala. O que torna poético são as palavras usadas.

A poesia vem do nosso intimo e nos faz dizer coisas que não sabíamos que estava em nosso coração.

Como Você lê uma poesia? Ao começar a deslizar os olhos no texto, concentre-se com o coração, sinta o que ele está dizendo, o que está sentindo, se o seu coração permanecer frio, sem nada para dizer, então o que você está lendo, não é poesia. A poesia tem a ver com a sensibilidade, que entra em contato com nossa alma e nos deixa encantados com a sua mensagem.

O que seria de nós se não existisse a poesia? Como expressaríamos o que está em nossa alma? Só a poesia consegue dizer com clareza o que em simples palavras cotidianas não seria possível.

Também aprecio o gênero suspense, mistério, policial, pois trabalham com a mente. Quem lê este tipo de textos, durante a leitura, fica todo o tempo tentando desvendar o enigma, pensando em inúmeras possibilidades, etc.

 

  1. Costuma fazer um glossário com as palavras que encontra por aí (em livros, na internet, na televisão etc.) e ir ao dicionário pesquisá-las?

Sublinho as palavras que para mim são novas, pesquiso no dicionário e escrevo no local onde li a palavra, geralmente no livro.

 

  1. Há escritores de hoje na internet (não consagrados pelo povo) que admira? Em sites, Academias de que de repente você participa etc.

Gosto de ler os textos da Maria Jose Zanini Tauil, Rayma Lima, Nancilia Pereira, Nilda Dias Tavares, Maria do Socorro Cardoso Xavier, Maria Jose Fraqueza e outros.

 

  1. Você costuma participar de antologias? Acha-as algo interessante? Participaria de uma se eu a lançasse?

Participei  da “1ª ANTOLOGIA POÉTICA”, AVBL (Do virtual para o real) em Junho/2004. E outras 25 antologias, a ultima que participei foi em 2009. A primeira que participei foi importante porque foi a primeira vez que um texto de minha autoria é registrado num livro.

 

  1. Você é membro de Academias de Letras? Aceitaria indicações para ingressar em Academias de Letras como membro?

Não, não sou membro de Academias de Letras. Não creio que mereço participar de algo assim... não sou uma escritora ou poetisa de verdade.

 

  1. Tem ideia de quantos textos literários já escreveu? Há quanto tempo escreve ininterruptamente?

1.º Livro – Voz da Alma –     11 Crônicas – 04 Contos – 37 Poesias

2.º Livro – Eu Poetico    –     01 Crônica   – 05 Contos – 54 Poesias

3.º Livro – O Cair da Tarde - 01 Crônica   – 00 Contos – 32 Poesias

                                            13 Crônicas   – 09 Contos – 123 Poesias

Escrevia com frequência, mas depois que o meu pai e o restante dos meus familiares faleceram, parece que perdi a inspiração. O livro o cair da tarde, chama-se assim porque comparo a morte com o fim da tarde, escrevi este livro em homenagem ao meu pai.  Éramos cinco – faleceram em- meu irmão em 1991, minha mãe em  1994, meu pai em 2007 e minha irmã em 2012. Fiquei sozinha e foi uma situação muito triste, mas reencontrei um rapaz que estudou comigo quando tínhamos 06 anos e nos casamos em 2013.

Não consigo escrever mais nenhum texto, nem poesia. Não sei para onde foi à poesia que havia em mim. Minhas ultimas poesias são as que estão no livro O CAIR DA TARDE.

 

  1. Você tem dificuldade de escrever em prosa, em verso? 

Não aprendi a escrever  poesia tradicional, com rimas e etc. Os contos  que escrevi foram fatos reais que se passaram com o meu pai (era do tempo do cangaço) e familiares. As crônicas, foram algumas ideias que sugiram na minha mente. Sou poetisa meio arcaica, uso metáforas, algo parecido com o estilo literário simbolista, Souza Cruz.

 

  1. Você possui algum lugar onde publica textos virtualmente? Qual? 

Sim, minha pagina pessoal. http://www.rosimeiremotta.com.br/

Pode-se ler meus livros, nos endereços abaixo  –

 

1.º Livro – Voz da Alma

http://www.rosimeiremotta.com.br/port1b.htm

ou -  http://www.rosimeiremotta.com.br/VOZ%20DA%20ALMA%20VIRTUAL.pdf

 

2.º Livro – Eu Poetico - http://www.rosimeiremotta.com.br/port1a.htm 

 

  1. Que temas prefere escrever? Prefere ficção ou o que vivencia e vê no dia a dia?

Não que eu prefira, mas as poesias que escrevo são poesias tipo psicológico, autoconhecimento, solidão e autoafirmação, sempre usando metáforas.

 

Leia a poesia abaixo para você entender...

 

ECOS DE UM EU APRISIONADO

Rosimeire Leal da Motta

(Do Livro Eu Poetico)

 

Uma música misteriosa perturba meus sentidos,

transcende o meu entendimento.

Acordou-me com acordes insistentes.

Arrastou minha curiosidade para o secreto do meu íntimo!

Desvendou meus sonhos escondidos.

São sons produzidos pelo meu subconsciente.

Hipnotizou-me através do meu autoconhecimento.

Projetou em meu coração os segredos da minha alma.

Um maestro afinou a sinfonia,

tornando-a cada vez mais compreensível.

Visão fantástica de uma parcela de mim,

presa nos escombros da vida!

Ecos de um eu aprisionado.

 

  1. Aprecia outros tipos de arte usualmente? Frequenta museus, teatros, apresentações musicais, salões de pintura? Está envolvido com outro tipo de arte (é pintor, músico, escultor?)

Não sei tocar nenhum instrumento musical, mas sou apaixonada pelo violino. O violino é uma poesia musical. Um som profundamente poético, que fala dentro da alma e faz nossos olhos brilhar de emoção...mas agora não posso mais ouvi-lo como antes, por causa do problema auditivo.

Encanta-me profundamente ver exposição de quadros, esculturas, etc. O escultor, o pintor, o criador de joias, também são poetas. O seu Eu poético é expresso através do designer que trabalhados criativamente falam mais do que palavras. Os olhos interagem com as peças que traduzem poesias nos corações de quem as aprecia.

 

  1. Que retorno você espera da literatura para si mesmo no Brasil? E a nível de mundo?

Não sei, na verdade nunca escrevi pensando em alcançar grandes alturas como escritora ou poetisa. Escrevo para expressar meus sentimentos. E não me considero uma escritora ou poetisa de verdade.

 

  1. Você acha que o brasileiro médio costuma ler? Acha que ele gosta de literatura tradicional ou só de notícias rápidas e sem profundidade?

 

São poucas as pessoas que conheço que lê muito. A maioria lê  apenas o suficiente para estar bem informado.

 

  1. Você costuma registrar seus textos na FBN antes de publicá-los? Sabe da importância disso?

 

Registrei os meus três livros na Biblioteca Nacional, após a publicação de cada um. Não registrei os textos antes. Hoje em dia é muito importante registrar os textos porque há muita copia na Internet.

 

  1. Já tem livros-solo publicados? Consegue vendê-los com certa facilidade? 

 

* LIVROS PUBLICADOS:

 

- "Voz da Alma"-Editora CBJE-RJ-Novembro/2005 - Poesia e Prosa.

 

- "Eu Poético" - Editora CBJE - RJ - Agosto/2007 - Poesia e Prosa.

 

- "O Cair da Tarde" - Editora CBJE - RJ - Julho/2012 -

Poesia e Prosa.

 

Não sou uma escritora de verdade. Não sou contratada por nenhuma editora. Economizei dinheiro, publiquei meus três livros e distribui para parentes, amigos  e bibliotecas.

 

  1. Já conhecia o poeta-escritor Oliveira Caruso (desculpe-me... Esta pergunta é padrão para quem participa de meus concursos literários)?

Desculpe-me, mas não o conhecia, passei a conhece-lo através do “Poeta del Mundo”.

 

  1. Você trabalha com literatura inclusive para aumentar sua renda ou a leva como um delicioso hobby?

A literatura é um passatempo que me ajuda a colocar minhas ideias em pratica, e expressar minha criatividade. Em minha pagina, promovo varias atividades literárias. De repente brilha uma luz e lá vou eu arrastando todos os meus amigos em  meu mundo poético.

topo