Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

ONLINE
2




Partilhe esta Página





Total de visitas: 658102
ENTREVISTA COM JERÔNIMO LUIZ GONÇALVES
ENTREVISTA COM JERÔNIMO LUIZ GONÇALVES

ENTREVISTA COM JERÔNIMO LUIZ GONÇALVES

 

  1. De onde você é? Quando você começou a se aventurar na literatura? Sofreu influência direta de parentes mais velhos, amigos, professores? O que aprendeu na escola o instigou a criar textos?

 

Nasci em Indiaporã SP. Vim pra Goiás com 11 meses. Desde 1976 moro em Goiânia. Fiz minha primeira poesia em 2009. Minha filha então na 6ª série me pediu pra ajudá-la fazer uma poesia sobre o acidente com o avião da Airbus próximo de Fernando de Noronha. Praticamente fiz a poesia sozinho.

Eu tinha vontade de escrever a minha história e da cidadezinha de Mundo Novo no interior de Goiás, onde fui criado. Então pensei: vou contar essa história em forma de poema. Gostei e não parei mais. De lá para cá, já são quase trezentos poemas. Sou formado em Geografia e gosto de abordar temas histórico-geográficos, ambientais e amor.

 

  1. Você já leu muitas obras e lê frequentemente? Que gêneros (poesia, contos, crônicas, romance) e autores prefere?

 

Li algumas obras da literatura brasileira no ensino médio.

Quando me formei passei a ler livros didáticos de Geografia, jornais e revistas.

Li alguns romances, mas prefiro livros históricos e de conhecimento, como: Camaradas, que conta a história do comunismo; Sapiens; Uma breve história da humanidade; Uma breve história do século XX. Já li muitos livros sobre a Primeira e Segunda Guerra Mundiais e sobre o nazismo.

Gosto muito dos poemas do Castro Alves.

 

  1. Costuma fazer um glossário com as palavras que encontra por aí (em livros, na internet, na televisão etc.) e ir ao dicionário pesquisá-las?

 

Quando leio palavras principalmente de termos regionais ou antigos, pesquiso no dicionário. Acho que deveria fazer um com essas palavras. A memória já não anda muito boa. Essas palavras ou termos abrem muitas possibilidades na hora de escrever.

 

  1. Há escritores de hoje na internet (não consagrados pelo povo) que admira? Em sites, Academias de que de repente você participa etc.

 

Não. Tenho lido os poemas e prosas dos livros de antologia de que participei nos últimos anos.

 

  1. Você costuma participar de antologias? Acha-as algo interessante? Participaria de uma se eu a lançasse?

 

Sim. Como disse anteriormente, tenho participado. Lançar livros tem custo muito alto. Ganhei menção honrosa no Livro “III Prêmio Literário”, do escritor Marcelo de Oliveira Souza em 2015. E agora nesta sua publicação sobre Poesia e Natureza.

 

  1. Você é membro de Academias de Letras? Aceitaria indicações para ingressar em Academias de Letras como membro?

 

Não sou membro.

Tenho dois livros lançados e participei de quatro concursos literários com poemas. Vou me aposentar o ano que vem. Quem sabe vou frequentar a casa do escritor goiano.

Não sei se tenho obras suficientes para participar de Academias de Letras.

Mas seria interessante.

 

  1. Tem ideia de quantos textos literários já escreveu? Há quanto tempo escreve ininterruptamente?

 

Cerca de 280 poemas entre 2009 e 2016. Escrevia com frequência. Ultimamente, só de vez em quando.

 

  1. Você tem dificuldade de escrever em prosa, em verso? 

 

Um pouco, depende do dia e inspiração. Já fui melhor. Alguns amigos me disseram pra escrever prosa, mas por enquanto só versos.

 

  1. Você possui algum lugar onde publica textos virtualmente? Qual? 

 

Não

 

  1. Que temas prefere escrever? Prefere ficção ou o que vivencia e vê no dia a dia?

 

Escrevo os dois.

Ultimamente estou muito descrente com a política e com a sociedade em geral.

 

  1. Aprecia outros tipos de arte usualmente? Frequenta museus, teatros, apresentações musicais, salões de pintura? Está envolvido com outro tipo de arte (é pintor, músico, escultor?)

 

Pouco.

 

  1. Que retorno você espera da literatura para si mesmo no Brasil? E a nível de mundo?

 

Escrevo pelo prazer. Um passatempo.

Muitas poesias trazem conhecimento, principalmente para os mais novos, que não viveram o que eu vivi no interior, na zona rural, ou seja, em tempos menos tecnológicos e de outros valores.

 

  1. Você acha que o brasileiro médio costuma ler? Acha que ele gosta de literatura tradicional ou só de notícias rápidas e sem profundidade?

 

Muito pouco. As pessoas estão pouco interessadas em algo mais profundo, que consuma muito tempo. Elas querem tudo pronto rápido e resumido.

 

  1. Você costuma registrar seus textos na FBN antes de publicá-los? Sabe da importância disso?

 

Não. Só escrevo no meu caderno, depois passo a limpo.

Estou transcrevendo para o computador.

 

  1. Já tem livros-solo publicados? Consegue vendê-los com certa facilidade? 

 

Sim, tenho dois: “Poemas Memórias da Terra Goiana” e “Poemas Amor à Terra Goiana”. Este último patrocinado pela prefeitura de Goiânia.

Escrevi poemas para serem musicados. Meu pai gravou um CD com 6 letras minhas. Coisas simples. Minhas letras são de música caipira, “sertaneja raiz”.

 

  1. Já conhecia o poeta-escritor Oliveira Caruso (desculpe-me... Esta pergunta é padrão para quem participa de meus concursos literários)?

 

Só pelo prefácio do livro “V Prêmio Literário” do escritor Marcelo de Oliveira.

 

  1. Você trabalha com literatura inclusive para aumentar sua renda ou a leva como um delicioso hobby?

 

Só hobby. Pelo prazer de ver e ouvir um amigo dizer que gostou.

 

  1. Você trabalha(ou) fora da literatura?

 

Fui professor de colégios particulares e sou professor da Secretaria da Educação de Goiás, desde 1988.

 

Um abraço e parabéns pelo seu trabalho!

 

topo