Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

ONLINE
2




Partilhe este Site...





Total de visitas: 457836
ENTREVISTA COM JANINHA MELL
ENTREVISTA COM JANINHA MELL

1.Quando você começou a se aventurar na literatura? Sofreu influência direta de parentes mais velhos, amigos, professores? O que aprendeu na escola o instigou a criar textos?

 

Resposta 1- Eu rascunhava poesias desde que aprendi a ler, gostava demais, porém como só pude mesmo aprender a primeira etapa onde aprendemos a ler, escrever pouco e era o bastante dizia meu pai, porem eu

Vivia com um caderno onde inventava versos, mal formados, mal rimados, e

Então a escola não me instingava e sim o que eu lia, Mas foi apenas sonho, porque fui proibida por meu padrasto, (ele custeava meus estudos depois que fiquei órfã) ele falava escritor, poeta são sonhadores, isso não dá camisa pra ninguém, vai estudar para ser outra coisa, eu obedeci, enterrei meus sonhos de escrever no fundo do meu baú, e fui em frente. Somente quando tinha 2006 quando fui vitima de um AVC que me custou o afastamento do trabalho (administradora de empresas) fui aposentada e fiquei em profunda depressão, quando me apareceu na mente uns versos sobre depressão, coloquei no papel, DEPRESSÃO NÃO..., publiquei e nunca mais parei, com isso sai da depressão e fui viver meu sonho, foi então que eu vi a facilidade que eu tinha com qualquer assunto, me alegrei e comecei a ser feliz escrevendo versos, contos, conselhos, reflexões...

 

2. Você já leu muitas obras e lê frequentemente? Que gêneros (poesia/prosa/prosa poética) e autores prefere?

 

Resposta 2 – Perdi a conta do que já li, eu era devoradora de livros, sou fã de prosa, verso, poesia além de ter obras completas de J.G. de Araujo Jorge, Jose de Alencar, Camilo Castelo Branco, Dostoievisk, entre outros, obras estas que me doeram muito vende-las mas eu passei uma fase de profunda necessidade financeira depois da doença e os livros me serviram para compra de remédios e alimento

 

3. Costuma fazer um glossário com as palavras que encontra por aí (em livros, na internet, na televisão etc.) e ir ao dicionário pesquisá-las?

 

Resposta 3 – Eu costumo usar imediatamente as palavras que acho interessante, logo escrevo algo com elas, então estão guardadas nos meus textos, lembro uma vez que li a palavra sexalescente, logo cheguei em casa e

Comecei a meditar sobre sexagenários e  adolescentes e criei um texto sobre

Isso me identificando inclusive como uma sexalescente.

 

4. Há escritores de hoje na internet (não consagrados pelo povo) que admira? Em sites, Academias de que de repente você participa etc.

 

Resposta 4 – sim vários, Deslaniev Daspet, Jorge Gaucho, Sam Moreno, Sá de Freitas, Dilson Paiva entre vários outros que admiro e aprecio suas obras

 

5. Você costuma participar de antologias? Acha-as algo interessante? Participaria de uma se eu a lançasse?

 

Reposta 5 – Sim gosto de antologias, acho uma forma de você mostrar um aperitivo do seu trabalho, já participei e participaria sim

 

6. Você é membro de Academias de Letras? Aceitaria indicações para ingressar em Academias de Letras como membro?

 

Resposta 6 – Em 2014 fui indicada para ingressar na Academia de Letras, mas acontecimentos familiares e de saúde alheios a minha vontade me impediram de poder participar mas eu aceitaria com muita honra ser indicada novamente.

 

 

 

7. Tem ideia de quantos textos literários já escreveu? Há quanto tempo escreve ininterruptamente?

 

Resposta 7 – Desde menina escrevo, mas publiquei muito pouco, porque eu só

Fui começar a expor o que escrevia em 2005, antes era só no meu caderno secreto, já que eu era proibida de escrever, então nem tenho ideia do quanto já

Escrevi e do que já escrevi, as vezes encontro no baú coisas interessantes mas desde 2005 escrevo ininterruptamente.

 

 

8. Você tem dificuldade de escrever em prosa, em verso?

 

Resposta 8 – não tenho dificuldade em escrever nem prosa, nem verso, sou

Melhor ainda em repente, gosto muito de trovinhas trocadas com outro colega

Eu me supero no repente, mas sempre tem que haver um inicio pela outra parte, tenho dificuldade em iniciar uma trova assim.

 

9. Você possui algum lugar onde publica textos virtualmente? Qual?

 

Resposta 9 – Sim publico em meu site oficial www.janinhamell.com, em meu blog Alcova da Loba http://janinhamell.blogspot.com.br, no facebook em minha paginahttps://www.facebook.com/janinhamell, https://www.facebook.com/pedacosdejaninhamell?ref=h, Sociedade Mundial dos Poetas, Site do escritor, vários outros sites onde poetas divulgam suas obras.

 

10. Que temas prefere escrever? Desagrada-lhe escrever sobre algum tema em específico?

 

Resposta 10 – Depende é do meu dia, tem dia que escrevo somente sobre amor, outro sobre saudade, outro sobre Deus, outro sobre erotismo, eu não sigo um tema especifico sempre, mudo o tema conforme minha inspiração.

 

 

 

 

 

 

11. Aprecia outros tipos de arte usualmente? Frequenta museus, teatros, apresentações musicais, salões de pintura? Está envolvido(a) com outro tipo de arte (é pintor, músico, escultor?)

 

Resposta 11 – Aprecio muito o teatro, já fui líder de grupo de teatro de min há

Igreja, inclusive escrevendo peças baseadas em versículos da Biblia e ensaiando e comandando o grupo, participando inclusive das apresentações, Gosto de pintura, e trabalho atualmente administrando uma escola de musica

 

12. Que retorno você espera da literatura para si mesmo no Brasil? E a nível de mundo?

 

Resposta 12 – Eu não penso nisso, a nível de retorno monetário, sim como crescimento cultural, como ajuda a  outras pessoas com meus textos, eu visualizo as pessoas encantadas lendo minhas utopias e devaneios, isso me faz um bem sem medida, sinto-me extasiada com tal quadro.

 

13. Você acha que o brasileiro médio costuma ler? Acha que ele gosta de literatura tradicional ou só de notícias rápidas e sem profundidade? 

 

Resposta 13 – Muito pouco, o mundo hoje gira em torno da tecnologia, celular, computador, tablet etc.. são o que enchem a mente do homem, os livros ficaram para a estante mesmo, eu fico triste ao observar tudo isso, alguns usam para coisas edificantes em seu conteúdo, mas o maioria é somente para conversas sem nexo que não vao ajudar em nada, precisaríamos ler mais e mais para não nos tornarmos uma sociedade medicre e sem cultura. Alguns quando muito leem as manchetes dos jornais e revistas e acham que já estão bem informados, ler uma literatura tradicional nem pensar, é cansativo dizem.

 

14. Você costuma registrar seus textos na FBN antes de publicá-los? Sabe da importância disso?

 

Resposta 14 – tenho alguns (poucos) textos registrados, sei da importância mas infelizmente quando toda pessoa relapsa eu não tenho dado a devida importância a isso.

 

15. Já tem livros-solo publicados? Consegue vendê-los com certa facilidade?

 

Resposta 15 – Não tenho livros solo, eu publiquei FATIAS DE NÓS, com meu

Amigo poeta Jorge Gaucho e participei da antologia POEMAS A FLOR DA PELE da editora Somar, estou escrevendo a alguns anos o que digo que será meu best seller, VIAJANDO EM MIM, mas nunca termino, por vezes paro por algum tempo, retomo a escrita e assim vai, meio desanimei quando escrevia muito e não me dei conta de ir salvando em algum lugar seguro, quando mais da metade de meu livro perdeu-se quando queimou meu PC, então comecei tudo outra vez mas desanimada um pouco, mas esta a caminho, escrevo sobre minha vida, (complexo não) risos

 

 

 

 

16. Já conhecia o poeta-escritor Oliveira Caruso? 

 

Resposta 16 conheci quando me adicionou no facebook, então comecei a receber e-mails dele sobre concursos e vem dai nosso conhecimento, estou deveras honrada por conhece-lo e participar do que vem da parte dele. Sou grata por ter enxergado JaninhaMell

 

 

17. Você trabalha com literatura inclusive para aumentar sua renda ou a leva como um delicioso hobby?

 

Resposta 17 – nunca pensei que ganharia alguma renda com a literatura, depois do balde de agua fria que levei de meu pai quando menina, sempre tive em mente que a literatura não me daria nada além de um prazer enorme, cada texto que escrevo, quando leio é como se eu apreciasse um filho que nasceu, é um delicioso hooby

topo