Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

ONLINE
1




Partilhe esta Página





Total de visitas: 874383
ENTREVISTA COM AMETISTA NUNES
ENTREVISTA COM AMETISTA NUNES

                      ENTREVISTA COM AMETISTA NUNES

 

 

- De onde você é?

  Cidade de Salvador – Estado da Bahia

 

- Quando você começou a se aventurar na literatura?

   Desde uns 12 anos, curtindo as letras de músicas românticas e lendo revistas

   em quadrinhos e, mais tarde, lendo os romances lidos por minha mãe, seja o 

   Morro dos Ventos Uivantes, Os Miseráveis, entre outros

 

- Sofreu influência direta de parentes mais velhos, amigos, professores?

   Em casa, da minha mãe na hora de dormir quando ela costurava, cantando e

   da Professora Nevinha, de Português, no antigo Ginásio.

 

 - O que aprendeu na escola o instigou a criar textos?

   Havia, no Colégio Estadual Duque de Caxias, a Disciplina chamada

   REDAÇÃO sob a responsabilidade da Professora Maria das Neves,“Nevinha”

   que, a cada texto ensinado, passava para @s educand@s, como tarefa de

   casa, criar um parecido, tecnicamente. Essa metodologia me auxiliou muito.

 

Você já leu muitas obras e lê frequentemente? Que gêneros (poesia, contos, crônicas, romance) e autores prefere?

Além das obras clássicas que sempre, que tenho tempo, releio, estou sempre a ler obras e autores de romances, crônicas e, especialmente, poesias, dos quais  vou aos lançamentos para possível comentário. Entre as obrigatórias leituras de obras políticas e de educação, pelo cenário em que nos encontramos, prefiro sempre dar uma fugida com Maiakovski, Clarice Lispector, Nélida Piñon e muitas outras feras da literatura (nacional, latina, local) e, principalmente, poetas que enriquecem a minha  caminhada e que são companheir@s e cúmplices no meu dia-a-dia.

 

  1. 3.

Costuma fazer um glossário com as palavras que encontra por aí (em livros, na internet, na televisão etc.) e ir ao dicionário pesquisá-las?

Essa prática faz parte da rotina de quem ainda precisa muito aprender...

 

4.

Há escritores de hoje na internet (não consagrados pelo povo) que admira? Em sites, Academias de que de repente você participa etc.

É infinita a quantidade de bons/boas escritores/as e poetas que , ao acessar a mídia eletrônica, nos deixa apaixonada e que gostaríamos de manter um contato mais estreito ou próximo, mas que o dia-a-dia de apenas vinte-e-cinco horas, atrapalha e dificulta...

 

  1. 5.

Você costuma participar de antologias? Acha-as algo interessante? Participaria de uma se eu a lançasse?

São essas antologias que não só integram poetas e até os que gostam de desabafar, como também, estimulam e contribuem para a socialização e intercâmbio dos poemas e de poetas e são muito importantes, dando grande contribuição para a História e, especialmente, da Literatura seja local, nacional, ou internacional. Possivelmente, a depender das possibilidades econômicas, entre outras. 

 

Você é membro de Academias de Letras? Aceitaria indicações para ingressar em Academias de Letras como membro?

Muito grata, visto que essa pergunta me leva a obrigações, como, por exemplo revisitar as Academias das quais já fiz parte, mas, que o compromisso com o Mestrado e, posteriormente, ministrando aulas em várias Faculdades, ou seja, a sobrevivência  foi me distanciando das mesmas. Frequentemente, tenho me prometido a realizar os contatos perdidos, mas o imediatismo da vida vai me afastando mais e mais. Entre outras, participei das seguintes:

  • Academia Anapolina de Letras, Ciências e Filosofia de Anápolis-Goiás-1980;
  • Academia Castro Alves de Letras- Bahia;
  • Federação Baiana de Escritores
  • Academia de Letras Uruguaiana
  • Academia de Letras da Fronteira Sudeste do RS
  • Academia Internacional de Letras 3 Fronteiras
  • Academia Internacional de Ciências Humanísticas
  • Associação Uruguainense de Escritores e Editores
  • Clube de Poesia de Uruguaiana
  • Casa do Poeta Brasileiro
  • Federação das Entidades Culturais Fronteiriças
  • Internacional Academy of Letters of England (Londres)- Não confirmei

 

Tem ideia de quantos textos literários já escreveu? Há quanto tempo escreve ininterruptamente?

Não! Escrevo, aproximadamente, há uns cinquenta anos, porém, não ininterruptamente. Sempre trabalhei e estudei, desde os 22 anos, durante os três turnos, além de integrar vários grupos de poesia, teatro e militância.

 

Você tem dificuldade de escrever em prosa, em verso?

Excluindo o poema que já nasce prontinho, há sempre um pouco de dificuldade de criar um texto poético, porém, minha dificuldade maior é com a prosa, vez que a mesma sempre trago com muita subjetividade e é preciso comunicar e esta é uma nova experiência que estou a tentar 

 

9.

Você possui algum lugar onde publica textos virtualmente? Qual?

 Não!

 

Que temas prefere escrever? Prefere ficção ou o que vivencia e vê no dia a dia?

Comentários e críticas dizem que meus poemas são, mesmo líricos, sociais, políticos, engajados. Não há preferências! Há ficção, vivências e fenômenos percebidos, intuídos...

 

*Aprecia outros tipos de arte usualmente?

Sim! Todos os tipos, gêneros, estilos...

 

*Frequenta museus, teatros, apresentações musicais, salões de pintura?

Frequento e com muita assiduidade, principalmente, musicais e saraus e de alguns sou integrante.  

 

*Está envolvido com outro tipo de arte (é pintor, músico, escultor?)

 Já coordenei e dirigi grupo de teatro amador.

 

Que retorno você espera da literatura para si mesmo no Brasil? E a nível de mundo?

Espero que um dia outras gerações apenas saibam que passei por aqui,  contribuí para a literatura baiana e fiz o que pude/não me guardei (poema  autoral Prestação de Contas).

 

*Você acha que o brasileiro médio costuma ler?

Não, conforme entidades de pesquisas.

 

*Acha que ele gosta de literatura tradicional ou só de notícias rápidas e sem profundidade?

 Difícil e complexa resposta! Não sei!

 

Você costuma registrar seus textos na FBN antes de publicá-los? Sabe da importância disso?

Não costumo registrar e só agora me volto para a importância do registro. Só tenho um solo registrado depois de muitos anos do lançamento, em 1980.

 

  1. Já tem livros-solo publicados? Consegue vendê-los com certa facilidade?

 Excluindo antologias, tenho apenas um livro que foi publicado com a ajuda do meu pai (hoje falecido) e já com edição finalizada. Foram todos (uns oitocentos) vendidos no lançamento.

 Não é fácil vender livros e eu teria muita, muita dificuldade pela timidez.

 

Já conhecia o poeta-escritor Oliveira Caruso (desculpe-me... Esta pergunta é padrão para quem participa de meus concursos literários)?

Ainda não, mas deveríamos pela poesia, não é ?

Espero que muito breve nos conheçamos por essa caminhada e luta poética!

 

Você trabalha com literatura inclusive para aumentar sua renda ou a leva como um delicioso hobby?

Nem  renda (até que gostaria que tivesse essa alternativa, mas, aqui no Brasil, é um delírio) nem hobby... Ser poeta, para mim, é uma missão e um compromisso político e social. É uma opção para não deixar a nossa humanidade desaparecer nessa ameaça de barbárie em que está mergulhado o mundo e, principalmente, o Brasil! A poesia é o meu oxigênio!

 

18.

 Você trabalha(ou) fora da literatura?

 Sempre trabalhei me embaraçando com a Literatura, porém, fui Professora-

 Mestre, de Faculdade de Direito, Pedagogia e Filosofia. Hoje, aposentada e

 envolvida com projetos diversos, inclusive, de Literatura com Saraus Lítero-

 Musical.

 

Caro Poeta

Oliveira Caruso!

 

Com essas perguntas, tive a oportunidade de parar um pouco para repensar muitas situações dessa nossa caminhada de literatura e da nossa própria vida.

Quero agradecer e pedir à natureza que proteja aos seus familiares , a você, aos seus projetos e aos seus sonhos!

 

     Suave caminhada!

 

Ametista Nunes- 19/02/2020- salvador- Bahia

 

                “Já é carnaval, Cidade ...”

 

  

topo